sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Faz de conta.


Lembra quando a gente resolveu brincar de faz de conta?
Nos encontravamos todas as noites,
nos mesmos bares, mesmos bosques.
Nas suas mãos minha bebida preferida.
Nas minhas o suspiro.
E no celular, aquelas ligações nunca completadas.
Sempre repetidas.
No fundo era tudo combinado,
você sempre rindo do meu penteado,
e eu te achando desengonçado.
Fazia de conta que te ligava de madrugada pra te contar daquele pesadelo.
Tudo não passou de um simples apelo.
Voltava a dormir.
Sem ao menos saber, que eu sonhava com você,
sem mascaras, sem truques, mas porque?
De repente todos ja sabiam, mas eu so danava a rir.
Você com aquele sorriso amarelo, e eu com meu cabelo amarelo.
Só que ninguém me contou que você não fazia de conta,
muito menos eu. Será que eu ja estava pronta?
Talvez eu te magoasse, talvez você me perdoasse,
talvez mais nada. A hora é agora.
Aqueles seus olhos, eu sempre me sentia maluca,
era como se eu voasse, mas sempre voltasse pro chão.
Ainda permaneciamos sorrindo, os dois.
Eu so queria entender,
porque eu fazia de conta não te ver,
mesmo sentindo você tão presente,
e se alguém me contasse, eu não iria crer,
que eu estava a todo tempo querendo apenas estar com você.
Sem faz de conta.


3 comentários:

Anônimo disse...

Gostei bastante! :)
Achei agora o seu blog e vou dar sempre uma olhada!
Parabéns!
Carol.

DsXE7 disse...

Bons pensamentos...gostei... http://soalgunsminutose7.blogspot.com
Até...

POESIAS by Edison Cardoso disse...

Tamiris,Não pude deixar de entrar em seu blog através da Paulinha Leite. suas palavas através do faz de conta. Hoje ou em qualquer dia nossas vidas muitas vezes é um faz de conta. Linda suas palavras. Beijo
Há, irei te seguir ok